images (1)

Segundo o presidente do Secovi/RN, Renato Gomes Netto, o crédito imobiliário que utiliza o dinheiro da poupança é o principal do país. “Do total de FINANCIAMENTO, representa mais de 80% dos FINANCIAMENTOS de imóveis no Brasil”, afirmou. E a Caixa é responsável por 90% dos FINANCIAMENTOS habitacionais ainda conforme Gomes Netto.  As constantes mudanças nas regras de FINANCIAMENTO também tem afetado a parceria do banco público com as imobiliárias pelo menos no Rio Grande do Norte.

“A Caixa não tem deixado as regras muito claras e não estão sendo constantes. Isso fez com que muitas imobiliárias que eram correspondentes bancários deixassem de ser”, disse. “Várias imobiliárias assinaram contrato de exclusividade com a Caixa para só financiar os imóveis vendidos pelo banco, mas sempre havia uma modificação de uma regra, de uma normativa”, acrescentou.

Mesmo sem as modificações, o mercado já estava retraído. “Os juros estão mais altos, os prazos menores, há maior rigor na análise de cadastro,   com documentos que comprovem que este consumidor pode realmente pagar, antes se aceitava montar uma renda, agora não mais”, observa ele. A vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon RN), Larissa Dantas, ressalta a importância dos financiamentos. “Informalmente, já se fala nessas restrições, mas não há nada concreto. Fato é que as construtoras não constroem com 100% recursos próprios, em raríssimos casos, e precisam financiar para lançar”, afirma.

FINANCIAMENTO

O percentual financiável do valor do imóvel nunca é sobre o valor real do imóvel. “É sempre sobre o valor da avaliação da Caixa. Então, o banco vai lá e avalia o imóvel. Normalmente, essa avaliação é entre 10% e 15% abaixo do valor de mercado”, disse o presidente do sindicato das imobiliárias. “Um imóvel por R$ 500 mil normalmente a Caixa avaliava por volta de R$ 450 mil. Ou seja, só é financiado R$ 405 mil, 90% do valor do imóvel. O cliente tinha que entrar com R$ 95 mil”, exemplificou Gomes Netto nas condições atuais.

Com as mudanças e considerando o mesmo exemplo citado pelo presidente do Secovi/RN, um cliente que opta por parcelas decrescentes terá que encontrar uma maneira de pagar R$ 140 mil sem o financiamento da Caixa.  “No contrato com valor real de mercado, a Caixa só vai financiar 65% a 70% do valor do imóvel e isso é um grande dificultador para o mercado”, avaliou.
Gomes Netto condena o incentivo tributário para o setor automotivo com a redução ou isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Além disso, ele acredita que tais medidas desviam a principal finalidade do banco. “A Caixa Econômica não pode visar lucro, tem que visar o bem estar social”.

Minha Casa, Minha Vida não deve ser afetado
A Caixa não informou se o Minha Casa, Minha Vida seria afetado. Como a fonte de recursos é diferente, o mercado espera que isso não aconteça. “O que eles estão divulgando é que não haverá mudança no Minha Casa, Minha Vida até porque esse programa não usa recursos do SBPE (poupança), mas sim do Tesouro Nacional”, comentou o presidente do Secovi/RN.

Embora as medidas não atinjam o principal programa habitacional do governo Federal, as mudanças devem afetar quem deseja comprar sua casa própria e consequentemente desanimar o mercado. A mudança do valor de financiamento mínimo de R$ 50 mil para R$ 100 mil no caso de imóveis residencias vai restringir o  acesso da população ao sonho do “lar doce lar”. “Nós temos um déficit habitacional violentíssimo no Brasil. Pelos dados do IBGE em 2010, o RN tem o déficit habitacional de 120 mil moradias”, destacou Renato Gomes.

Além de reduzir o ritmo com que ataca o problema da habitação, o governo Federal, na avaliação do presidente do Secovi/RN, também patrocina a desaceleração da economia.

“É realmente uma medida preocupante. Estamos em um momento em que o governo deveria se incentivar a produção do mercado imobiliário, porque assim você gera mais emprego, mais renda. Aí o governo vem dificultar o crédito imobiliário”, criticou.

Fonte: Tribuna do Norte
*Colaborou a repórter Sara Vasconcelos
Imagem: Divulgação/Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *