celula-tronco-pixabay-e1485539110689
Células tronco são feitas a partir da pele do paciente que precisa de um transplante de órgão (Foto: Pixabay)

Estudo implanta células-tronco humanas em porcos a fim de gerar órgãos para transplantes

Pela primeira vez, biólogos tiveram sucesso em gerar células-tronco humanas em embriões de porcos, tornando possível a proposta de desenvolver órgãos humanos em animais para transplante.

O processo envolve a geração de células-tronco a partir da pele do paciente para desenvolver o órgão desejado em um animal grande, como um porco, e depois coletar o órgão para transplante. Já que o órgão foi feito a partir das células do próprio paciente, o risco de rejeição do sistema imunológico seria mínimo.

Os porcos em que os órgãos seriam cultivados seriam espécies de animais quimeras, que são compostos de dois genomas diferentes. Eles seriam gerados ao implantar células humanas em um embrião de porco, resultando em um animal composto por um mix de células suínas e humanas.

Uma equipe de biólogos, liderados por Jun Wu e Juan Carlos Izpisua Belmonte, do Salk Institute, mostraram pela primeira vez que células-tronco humanas podem contribuir na formação de tecidos de um porco, apesar da diferença evolutiva de 90 milhões de anos entre as duas espécies. Outro grupo, liderado por Tomoyuki Yamaguchi e HIdeyuki Sato, da Universidade de Tóquio, e Hiromitsu Nakauchi, de Stanford, reverteram diabetes em ratos de laboratório ao inserir glândulas pancreáticas compostas de células de camundongos. Os dois estudos estabelecem a viabilidade de cultivar órgãos humanos para transplante em animais. O objetivo, porém, ainda está distante de ser concretizado.

Muitas barreiras técnicas e éticas ainda precisam ser vencidas, mas a pesquisa está avançando lado a lado com a grande demanda por órgãos para transplante; nos EUA, são cerca de 76.000 pacientes na fila de espera. No Brasil, em junho de 2016, eram quase 42.000 pessoas na fila por um transplante.

A criação de animais quimeras, especialmente aquelas com células humanas, pode ser controversa, dada a possibilidade de que os animais usados para os experimentos podem ser humanizados de forma indesejada.

Tanto Juan Carlos quanto Hiromitsu Nakauchi concordam que ainda há um longo caminho a ser percorrido até que órgãos humanos possam crescer em animais como porcos. As quimeras serão usadas antes para estudar embriogênese humana, testar medicamentos e seguir o progresso de doenças.

Opinião & Noticia

Fontes:
The New York Times-New Prospects for Growing Human Replacement Organs in Animals

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *