Tamagotchi-e1488631772544
Quando os Tamagotchi, os bichinhos virtuais fabricados pela Bandai, faziam sucesso em meados da década de 1990, mulheres de 20 a 30 anos eram grandes compradoras (Foto: Wikimedia)

Com a queda da taxa de natalidade no Japão, os fabricantes de brinquedos estão investindo em produtos que agradam aos adultos

William Elliot Griffis, um educador americano que visitou o Japão na década de 1870, observou que nos dois séculos e meio anteriores, “a principal atividade do país era brincar”. Ele descreveu lojas cheias de brinquedos como na época de Natal e muitos adultos “divertindo-se com brinquedos que os adultos ocidentais teriam deixado de lado na infância”.

Hoje, Griffis teria a mesma impressão ao visitar Hakuhinkan Toy Park, uma das maiores lojas de brinquedos em Tóquio. Adolescentes, funcionários de escritório e avós passeiam entre os 200 mil brinquedos espalhados pelos cinco andares da loja. Seu diretor, Hiroyuki Itoh, disse que quer que a loja seja um lugar onde todos possam brincar.

Após o trabalho, homens vestidos com ternos pagam ¥200 (menos de US$2) para fazer um passeio de cinco minutos em uma pista de corridas de carros de 36 metros. Em outro espaço da loja, um grupo de estudantes universitários mexe em brinquedos da época de sua infância.

Brinquedos destinados a pessoas de mais de 20 anos representam 27% das vendas do Japão, de acordo com dados da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor. Com a queda da taxa de natalidade do país, essa parcela do mercado tem sido vital para os três maiores fabricantes de brinquedos do Japão, Bandai Namco, TakaraTomy e Sanrio. A partir da década de 1970, o número de jovens com menos de 15 anos reduziu-se à metade, o equivalente a 12% da população. Em 2060, é provável que essa proporção seja de 9%.

Quando os Tamagotchi, os bichinhos virtuais fabricados pela Bandai, faziam sucesso em meados da década de 1990, mulheres de 20 a 30 anos eram grandes compradoras. A mesma faixa etária compra a Licca-chan, a versão japonesa da boneca Barbie, fabricada pela TakaraTomy. A empresa agora lançou um novo produto para adultos. A boneca Cappuccino vestida com roupas quadriculadas é vendida por ¥12,000.

O preconceito contra adultos que se divertiam com brinquedos, forte depois da Segunda Guerra Mundial, desapareceu. Muitos querem lembrar a sua juventude, com coleções de brinquedos da época, disse o executivo-chefe da TakaraTomy, Harold Meij. Em seus modelos de automóveis Tomica, a empresa usa desenhos vintage que os adultos admiravam quando meninos.

A opção dos japoneses de ter apenas um filho depois de construir uma carreira profissional, significa que os pais têm mais dinheiro para gastar com os filhos. Os japoneses dizem que as crianças têm “seis bolsos”: dois de seus pais e quatro dos avós.

Opinião & Noticia

Fontes:
The Economist-Toymakers bounce back in the land of adult nappies

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *