diamond-ring-e1490883822906
Os diamantes sintéticos produzidos em laboratórios estão competindo em brilho e beleza com os diamantes naturais (Foto: Public Domain)

Durante muito tempo o diamante simbolizou a união duradoura entre um homem e uma mulher. Hoje, esse objeto de sedução perdeu seu glamour

Os pavões gritam; as aves-do-paraíso fazem ninhos de amor; as aranhas atraem as moscas para suas teias. Esses rituais de sedução desempenham um papel importante no que Charles Darwin chamou de seleção sexual. A maior parte da responsabilidade de reprodução de um novo ser recai na fêmea. Por esse motivo, os machos se exibem e dão presentes para demonstrar sua “capacidade reprodutiva” e, a partir desses dotes, as fêmeas escolhem seus parceiros. Nos homens, a sedução da fêmea é exercida pelo presente de noivado de um anel de brilhantes que indica o bom gosto, a riqueza e o grau de compromisso afetivo deles com a futura noiva.

Esse presente foi idealizado por uma agência de publicidade da De Beers, o conglomerado de empresas envolvido na mineração e comércio de diamantes ao longo do século XX. Na década de 1930, sua campanha publicitária sugeria uma relação entre diamantes e o casamento. A dureza incomparável do diamante simbolizava a resistência do amor e seu brilho, a paixão. Dois meses de salário, dizia a propaganda, era o suficiente para comprar o anel, um bom investimento, porque “um diamante é para sempre”.

Agora, o anel de brilhantes como presente de noivado não exerce a mesma atração de antes. A classe média chinesa ainda mantém esse costume tradicional, mas nos países ocidentais a geração do milênio prefere ter experiências mais emocionantes, em vez de ganhar um anel. Além disso, a imagem dos diamantes associou-se à mineração em zonas de guerra para financiar os conflitos.

Agora, os diamantes sintéticos produzidos em laboratórios, antes restritos ao uso industrial, estão competindo em brilho e beleza com os diamantes naturais. E o glamour de antes não existe mais.

Opinião & Noticia

Fontes:
The Economist-The waning power of the engagement ring

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *