gasolina-e1506170610163
 A notícia teve um grande impacto entre os fabricantes de automóveis (Foto: Pixabay)

O governo da China está desenvolvendo um plano para eliminar a circulação e produção de carros movidos a combustíveis fósseis no país

“Um momento decisivo para a indústria automobilística.” Este foi o comentário de analistas da empresa de pesquisa Sanford C. Bernstein, ao ouvirem a notícia que o governo da China quer proibir a produção de carros movidos a gasolina. Em 9 de setembro, Xin Guobin, vice-ministro da Indústria e Tecnologia da Informação, disse em uma conferência automotiva em Tianjin, uma cidade industrial perto de Pequim, que o governo está desenvolvendo um plano de longo prazo para eliminar os veículos movidos a combustíveis fósseis.

A notícia teve um grande impacto entre os fabricantes de automóveis, para os quais a China é o maior mercado consumidor do mundo. William Russo, da empresa de consultoria China’s Gao Feng Advisory, um antigo executivo sênior da Chrysler, disse que a indústria automobilística tem de se adaptar o mais rápido possível às exigências do governo chinês.

O vice-ministro Guobin não fez uma previsão de prazo para o início da proibição. A China tem metas ambiciosas de médio prazo para aumentar a eficiência da indústria automobilística e combater as mudanças climáticas, entre as quais a definição de um limite das emissões de CO2 até 2030. Não está claro se a proibição incluirá apenas carros a gasolina ou os veículos híbridos movidos a gasolina e com motores elétricos.

O anúncio do governo chinês foi divulgado pouco antes da abertura do Salão do Automóvel de Frankfurt. Muitos participantes ficaram céticos diante da notícia. Apesar das discussões referentes à proibição de carros a gasolina e a diesel no Reino Unido e na França até 2040, nenhum país aprovou uma lei regulamentando a proibição, disseram os representantes da indústria automobilística presentes ao evento. Outros viram uma oportunidade de expansão de mercado. Thierry Bolloré, diretor técnico da Renault, disse que a empresa está preparada para produzir veículos elétricos na China.

Mas o governo chinês incentivou a fabricação de carros elétricos no país. O fabricante de automóveis BYD aperfeiçoou a qualidade de seus carros elétricos e baterias, e está investindo no mercado externo. Uma nova geração de empresas inovadoras, como ThunderPower e Nio fazem sucesso em salões de automóveis. Com a proibição de carros movidos a combustíveis fósseis e o estímulo à produção de veículos elétricos, a China passaria de uma das maiores emissoras de gases de efeito estufa a defensora do combate às mudanças climáticas.

Opinião & Noticia

Fontes:
The Economist-China moves towards banning the internal combustion engine

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *